Prêmio ao Voluntário Facilitador do Programa de Educação para a Paz

Na foto (da esquerda para a direita) a equipe do Centro de Correções e Reabilitação de Miami-Dade: Diretor James Reyes, Lucy Collins (Voluntária de Reentrada do Ano), Vice-Diretora Cassandra Jones, Conselheiro Terrance Matthews e Chefe de Correções JD Patterson.

Mudar vidas gera recompensas pessoais e públicas

“Eu vejo as pessoas como seres humanos.” ~ Lucy Collins

A Sra. Lucy Collins, facilitadora voluntária do  Programa de Educação para a Paz no Centro de Correções e Reabilitação de Miami-Dade recebeu o prêmio de “Voluntário de Reentrada do Ano” em 13 de abril de 2023. O excelente compromisso, o cuidado e o impacto positivo desta Sra. foi observado por muitos dentre as pessoas encarceradas a quem ela atende no Centro. Ela recebeu o prêmio inaugural em um café da manhã especial com a presença de funcionários do Centro, chefes de organizações de serviços sociais e a prefeita da cidade, Daniella Levine Cava.

No entanto, ela vê satisfação em efetuar mudanças na vida daqueles que ela chama de “os esquecidos” – uma recompensa em si.

“Ser capaz de observar essa transformação é um presente total”, diz a Sra. Collins.

(Nota: “Reentrada” refere-se às pessoas encarceradas que estão se preparando para voltar à sociedade.)

Assista a este curto vídeo que o Centro de Correções de Miami-Dade fez para destacar seu trabalho extraordinário:

YouTube player

Paixão pelas Pessoas e pela Paz

A especialista em comunicações da TPRF, Lara Palafox, conversa (e tenta acompanhar) a Voluntária de Reentrada do Ano, Lucy Collins, durante uma entrevista…

Não são apenas aqueles que trabalham com a Sra. Collins em centros correcionais que estão impressionados. Quando tive o prazer de entrevistá-la entre suas muitas atividades, sua personalidade vibrante e inteligente criou outro fã.

A Sra. Collins é voluntária em Miami-Dade há 10 anos. Curioso sobre sua experiência como facilitadora de programa em um centro correcional pela primeira vez, perguntei se ela havia sentido alguma apreensão ou hesitação. A resposta dela? Um simples “Não”.

Depois de um ou dois segundos de silêncio, perguntei “Então, sem medo?”

“Não.”

Eu ri. “Bem, como você se sentiu?” Perguntei.

A Sra. Collins respondeu simplesmente: “Eu vejo as pessoas como seres humanos. Tenho muita compaixão e respeito por elas.”

E esse respeito fica evidente na forma como ela descreve os participantes do Programa de Educação para a Paz. Ela diz que quando eles chegam na sala, “Muitas pessoas parecem tão machucadas.  Elas não têm respeito por elas mesmas nem por ninguém. Elas apenas olham para a mesa. Tive a honra de vê-las se transformar, se tornar quem elas realmente são.”

 

Lucy Collins (na foto com Terrance Mathews): Voluntária do ano de reentrada recebe seu prêmio no café da manhã inaugural de agradecimento aos voluntários, em Miami-Dade, Flórida.

Uma Inundação de Apreciação

É com esta mesma humildade que a Sra. Collins aceitou o prêmio durante uma chuva torrencial na manhã de 13 de abril. Na verdade, devido à inundação na área, ela quase não compareceu à cerimônia do café da manhã. Sem saber nada sobre o prêmio pretendido, ela decidiu fazer todos os esforços para chegar ao café da manhã. Ela já havia confirmado sua presença e não queria decepcionar ninguém.

Uma vez lá, a Sra. Collins, ainda sem saber de seu prêmio, sentou-se para ouvir enquanto o anfitrião descrevia o trabalho e as muitas conquistas de um excelente voluntário. Um momento antes de ser chamada ao palco, ela percebeu que a descrição era dela – e começou a chorar.

“Então eles me chamaram para subir no palco. Ainda estou chorando. Vou até o palco e minha pulseira está presa no meu suéter”, ela ri.

Se alguém percebeu, provavelmente não se importou nem um pouco. A Sra. Collins trouxe tanto calor e luz para aqueles ao seu redor que eles só queriam abraçá-la. E muitos o fizeram.

Quando chove transborda…

Ajudar os outros está na natureza da Sra. Collins. Cerca de 35 anos atrás, ela se ofereceu para ajudar na defesa da criança lutando por aqueles que foram afastados de seus pais  (Guardian ad Litem). Atualmente, ela é voluntária do Programa de Educação para a Paz em duas outras instituições correcionais além de Miami-Dade: Turner Guilford Knight Correctional Center (TGK) e Everglades Correctional Institution. No total, ela gasta cerca de sete horas por semana fazendo trabalho voluntário.

Quando ela começou a trabalhar como voluntária na TGK há 12 anos, havia poucas pessoas envolvidas. No entanto, depois de se voluntariar no Miami-Dade Corrections and Rehabilitation Center, ela encontrou uma alma gêmea ideológica, Terrance Mathews (a quem ela se refere carinhosamente como “meu irmão de outra mãe”). O Sr. Mathews, que era conselheiro do Centro na época, viu os efeitos maravilhosos que o Programa de Educação para a Paz estava tendo nos participantes. Ele apoiou totalmente o trabalho da Sra. Collins.

Agora, o Sr. Mathews é responsável pelos Serviços Voluntários para todas as instituições correcionais em Miami-Dade e seu endosso ao programa está criando um impacto mais amplo. Ao mesmo tempo, o compromisso de longo prazo e os esforços da Sra. Collins para semear as sementes da paz deram frutos.

Na verdade, o amor e o apreço pela diferença que ela fez e está fazendo na vida das pessoas é tão evidente que outras pessoas querem um pedaço dela e do Programa de Educação para a Paz. Depois de terem presenciado seu prêmio na cerimônia do café da manhã, as manifestações de interesse dos responsáveis pelos programas para policiais, veteranos e um centro de reabilitação foram chegando.

Foto de Lucy Collins, facilitadora da Educação para a Paz e Voluntária do Ano, posa em frente a uma grande árvore em um exuberante parque verde da Flórida. Ela está usando óculos escuros, uma blusa azul royal de mangas compridas com calças compridas de linho branco.

Lucy Collins: A paz está em sua natureza

Sem data de validade em Alegria

Com tanto no horizonte, a Sra. Collins não vê um fim para o trabalho que ela chama de “alegre”.

Ela é estimulada pelas transformações que vê não apenas naqueles que estão prestes a sair da prisão, mas também naqueles que permanecerão “dentro” por algum tempo. Alguns dos participantes do Programa de Educação para a Paz têm aproveitado o programa ano após ano. Sua voz está cheia de elogios enquanto ela descreve o quão incrível ela os sente.

“Acabei de dar uma aula e eles ficaram felizes. Quando os uns falavam e se expressavam, os outros batiam palmas. Eles se respeitavam”, entusiasma-se.

A Sra. Collins observa que os efeitos positivos sobre os participantes foram tão grandes que o consenso é:

“Se precisei ir para a prisão para aprender sobre esta mensagem e aprender sobre mim mesmo, então valeu a pena.”

 

Perguntei à Voluntária do Ano em Miami-Dade por quanto tempo ela previa continuar a facilitar o programa.

Sua resposta: “Apresentar este programa é uma das maiores alegrias da minha vida e espero continuar a fazê-lo enquanto puder.”

Muitas pessoas também esperam.

 

Saiba mais sobre o Programa de Educação para a Paz aqui

 

FacebooktwitterredditpinterestlinkedinmailFacebooktwitterredditpinterestlinkedinmail

Artigos Recentes

Artigos por Categoria